InícioDesenhosExposição "Mira Schendel: Toquinhos" - Artsoul

Exposição “Mira Schendel: Toquinhos” – Artsoul


Mira Schendel: Toquinhos

 

A Galatea tem o prazer de apresentar a exposição Mira Schendel: Toquinhos,que será inaugurada no dia 28 de junho, às 18h. A mostra conta com texto crítico da curadora e crítica de arte Lisette Lagnado e reúne, pela primeira vez, um conjunto tão abrangente de obras – cerca de 60 – que compõem a série Toquinhos, produzida por Mira Schendel (1919 – 1988) principalmente entre 1972 e 1974. São trabalhos que se inscrevem no contexto das múltiplas experimentações com o papel de arroz japonês realizadas por Mira, após ter sido presentada pelo amigo Mario Schenberg, crítico de arte e importante físico brasileiro, com uma enorme quantidade desse material. A série Monotipias, produzida principalmente entre 1964 e 1967 e composta por cerca de dois mil desenhos, abre toda uma sequência de criações com o papel japonês que se desdobra, ainda, em trabalhos como as Droguinhas e os Trenzinhos, produzidos na segunda metade da década de 1960, e os Objetos Gráficos, produzidos sobretudo entre 1967 e 1973.

Os Toquinhos aqui apresentados, vale ressaltar, diferem dos Toquinhos que consistem em pequenos retângulos de acrílico colados sobre placas transparentes também de acrílico, produzidos mais ou menos na mesma época (primeira metade da década de 1970). Entre as séries homônimas, os decalques de letraset são o elemento comum. A artista passa a utilizá-los sobretudo a partir da série Objetos Gráficos, cujas obras são compostas por folhas de papel de arroz repletas de rabiscos, traçados, rasuras, tipos datilografados e letraset inseridas entre duas placas de acrílico suspensas por fios de nylon e dispersas no espaço, longe das paredes, jogando com a luz, o dentro e o fora, a frente e o verso. Progressivamente, o desenho, a escrita cursiva e a rasura passam por um processo de síntese no trabalho de Mira, chegando ao que o ensaísta alemão Max Bense chama de “reduções gráficas”.

Nos Toquinhos, tais reduções são notáveis. A artista cria camadas colando sobre o papel japonês recortes geométricos (tingidos ou não) do mesmo papel, normalmente acompanhados de sinais de pontuação e letras. Ao ser questionada, em 1975, pela jornalista Norma Couri: “Por que letras?”, Mira responde: “São o pré-texto ou o pretexto do pós-texto”. Comentando tal diálogo, o teórico Geraldo Souza Dias afirma, em sua monografia sobre a artista intitulada Mira Schendel: do espiritual à corporeidade (2009): “A completa redução da forma a círculos e retas, desenvolvida nos tipos sem serifa da fonte Futura, a preferida da artista, permite considerar a relevância ótica das letras enquanto elementos de um conjunto. Nos trabalhos de Mira, o significado original dos sinais caligráficos – letras e números – transforma-se pela ação da letra autocolante, assumindo um caráter novo, puramente plástico.”

Serviço

Mira Schendel: Toquinhos

Abertura Quarta-feira, 28 de junho | 18h às 21h

Exposição 

29 de junho — 19 de agosto

Segunda a sexta | 10h às 19h

Sábado | 11h às 15h

Galatea 

R. Oscar Freire, 379 – Jardins 01426900
São Paulo | SP – Brasil



Source link

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

WhatsApp
Precisa de ajuda?
👋 Olá
Nosso suporte está online no WhatsApp.